rústico + conforto + natureza

Resultado da reforma em uma casa que remete ao estilo colonial português, a intervenção respeita as características da arquitetura original – vãos e janelas em arcos abatidos, vigas de madeiras no forro da antiga sala, varandas – em diálogo com a reinterpretação do rústico contemporâneo.

O restaurante situa-se em bairro nobre da orla marítima da Capital paraibana, cujo entorno é formado por residências de dois pavimentos, e a sua presença no urbano é marcada por um muro alto e colunas de tijolos maciços ritmados por tochas em chapas de aço oxidado, o que representa o elemento fogo no conceito da proposta. A água está simbolizada na piscina cenográfica que interage com as mesas, enquanto o ar advém o próprio espaço aberto, com mesas ao ar livre, conformando, assim, na união dos três elementos da mãe terra. No portão de entrada, uma placa de madeira de demolição com grafia em baixo relevo recepciona os usuários.

O uso do tijolo maciço no piso externo e interno, do paisagismo no jardim frontal, com marcante presença das palmeiras, arrematado por uma iluminação pontual e intimista, faz do espaço um lugar acolhedor e variado. Internamente, destaque para o bar revestido em madeira envelhecida, para a composição do painel de garrafas de vinhos requintados e para a adega fechada por vidros translúcidos, voltados para o salão interno do restaurante.