Sandra
Moura

Olhando a produção de arquitetos brasileiros nos últimos 20 anos, numas das mais velozes transições entre os dois séculos, uma profissional destaca-se pelo olhar contemporâneo: a paraibana Sandra Moura. Olhar as fachadas dos prédios por ela arquitetonicamente idealizados é uma atitude de contemplação de como os espaços utilitários podem ser perfeitas obras artísticas integradas ao cotidiano, aos sentimentos dos seus clientes e mesmo dos que passam a uma certa distância.

Essa relação entre a utilidade e o prazer, o objeto e a pessoa, interagindo com tudo que está a seu redor, tem sido aprofundado por Sandra Moura de obra em obra.

GOETHE DEFINIU A ARQUITETURA COMO “MÚSICA PETRIFICADA”

Perfeccionista, ela não fez disso uma atitude acadêmica em sua profissão, mas um permanente exercício de integração com a natureza global e a cultura regional. Certa vez, Oscar Niemeyer afirmou que “arquitetura não constitui uma simples questão de engenharia, mas uma manifestação de espírito, da imaginação, da poesia”.

Sabendo compreender a linha tênue que existe entre o real e o virtual, Sandra Moura amplia ao máximo esse conceito. Por isso, destaca-se nesta cena como uma profissional cujas soluções atendem à plenitude de cada trabalho. Não é por mera coincidência que entre suas fontes estão duas das mais fortes expressões da humanidade: Mozart e Da Vinci.

Experiência

Sandra Moura é Bacharelada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal da Paraíba com especialização em estrutura metálica e Light Design. As origens de sua formação como arquiteta se misturam com o interesse pelas artes:  foi aluna dos artistas plásticos paraibanos Marlene Almeida, Flávio Tavares e Alice Vinagre, além de ter estudado piano clássico por dez anos. Ás vésperas de mais uma titulação – pós-graduação em Construção Sustentável pelo U.S. Green Building Council, Sandra completa, em 2012, 25 anos de carreira. Já participou de vários eventos como Casa Cor Pernambuco, Casa Pronta, Mostra Artefacto, além de ter trabalhos publicados em revistas e livros nacionais e internacionais como: Casa Vogue, Casa Cláudia, Viver Bem, Décor Year Book Brasil, Décor Book Banheiros e Janelas do grupo Luxaflex. Foi Premiada pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil com a menção honrosa pelo projeto do restaurante Ippon.